O Poder da Gratidão e o Diabetes

Neste mês de dezembro, gostaria de agradecer. A gratidão já foi demonstrada cientificamente através de diversas pesquisas que quando é sentida, libera o neurotransmissor dopamina e ativa o sistema de recompensa do cérebro, gerando ainda uma sensação ainda maior de bem-estar e prazer no corpo.

Gratidão envolve muito mais do que dizer uma palavra como “obrigado” quando alguém lhe faz uma gentileza. É uma prática de apreciação, de valorizar as coisas boas, o que inclui uma mentalidade positiva sobre a vida. Mas vai além disso.

Sou grata por ter tido a oportunidade de ter conhecido muitas pessoas, e, entre elas, pacientes-amigos, como o karateca Daniel Caputo. Tivemos a oportunidade, eu e Cristina Dissat, de no dia 30 de novembro de tê-lo numa live no Instagram pela Revista EmDiabetes com o tema “O Doce Sabor da Vitória”.

Este é o nome do livro que Daniel escreveu para mostrar um pouco sobre sua história desde quando foi diagnosticado com diabetes tipo 1. Daniel conquistou diversos títulos de campeonatos de Karatê nacionais e internacionais, por ter treinado duro e superado o preconceito em relação ao diabetes. Recebeu durante o Congresso da Sociedade Brasileira de Diabetes (25 a 28/11) o título de Atleta do ano na categoria da faixa de idade 40 anos ou mais. Ele me ensinou muita coisa e entre elas o hábito de ser grata e de lutar pelo que se deseja alcançar.

Gratidão é uma forma de não fechar os olhos para os problemas, mas de vê-los com motivação para buscar soluções sem jamais desistir.

Gratidão por ser quem já se é, mesmo ainda não tendo alcançado o que se deseja.

Gratidão pelo milagre da vida, pelo amor às pessoas, pela fraternidade e pela esperança.

Gratidão por ter a certeza que 2022 será muito melhor!

 

Acesse também a entrevista com Daniel Caputo, nosso convidado especial do mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.