Pesquisa sobre vacina, diabetes e Covid-19

Foi divulgado, recentemente, o resultado de uma pesquisa inédita sobre diabetes e Covid-19, realizada em 35 associações de diabetes brasileiras, preocupadas com a falta de adesão das pessoas com diabetes à vacinação da Covid-19. Os problemas políticos, ligados ao movimento antivacina ganhou força nos últimos anos no Brasil.

O diabetes é caracterizado por um grupo de distúrbios metabólicos, que apresentam em comum à hiperglicemia, aumento da taxa de açúcar no sangue. Este quadro leva à maior suscetibilidade da pessoa com diabetes a desenvolver infecções devido à alteração na resposta imunológica. Dessa forma, deve-se promover a imunização de adultos com a condição como forma de estratégia de proteção à saúde, já que auxilia na prevenção de complicações do diabetes.

Resultados

A pesquisa mostrou que 61% das pessoas informaram que iriam se vacinar e 17,61% que dependeria do tipo de vacina. A ADJ Brasil, que coordenou a pesquisa, comentou ter ficado surpresa em relação à pergunta sobre a vacinação em geral. Do total, 47% das pessoas com diabetes tipo 2 não se recordavam de quando o médico comentou sobre a importância da vacinação e 85,74% não sabem da existência de um calendário de vacinação para este público.

Já 62% de pessoas com diabetes tipo 1, que geralmente são crianças e adolescentes, seus pais disseram que o médico recomenda a vacinação durante a consulta. Segundo a ADJ, os dados podem concluir que, principalmente, o médico com especialidade em pediatria é o profissional que mais indica a vacinação e que não há atenção tão grande de outras especialidades médicas em falar sobre a importância da vacinação na consulta.

Dados além da Covid-19

O levantamento também constatou dados impactantes sobre vacinação em geral em pessoas com diabetes:

  • 85,74% dos participantes da pesquisa desconhecem que há um calendário de vacinação específico para este público.
  • 47% das pessoas com diabetes tipo 2 não se recordavam de quando o médico comentou sobre a importância da vacinação, nas consultas.
  • 9% disseram categoricamente que o médico não fala sobre o assunto durante o atendimento.
  • 62% de pessoas com diabetes tipo 1 disseram que o profissional recomenda durante a consulta. Quando se realiza uma análise mais detalhada, especificamente no grupo de pais e mães de crianças com diabetes tipo 1, 73,8%  disseram que o médico recomenda durante a consulta.

Vanessa Pirolo, coordenadora de advocacy da ADJ Diabetes Brasil e uma das autoras da pesquisa, explica que em outro item da pesquisa, 68,27% dos entrevistados disseram que continuarão a se vacinar.

Quando questionados sobre as campanhas feitas pelo Governo, através de veículos de comunicação, 53,57% pessoas sinalizaram que sim, 38% que não e 8,6% não sabiam.

“Estes dados refletiram o cenário antes do início da imunização contra a Covid-19. No tocante às respostas dos participantes sobre as campanhas de vacinação, queremos mostrar que é necessário maior engajamento do Governo para realização de campanhas de imunização. Ao mesmo, tempo, facilitar o acesso das vacinas específicas para pessoas com diabetes, pois quanto mais este público imunizar, menos complicações surgirão e menos gastos serão gerados para o SUS”, finaliza Vanessa.

Formatação da pesquisa

Esta pesquisa foi realizada por uma equipe multidisciplinar, com a coordenação de: Vanessa Pirolo, coordenadora de advocacy da ADJ Diabetes Brasil; Gabriela Cavicchioli, mestre em Enfermagem pela UNIFESP, coordenadora o Departamento de Enfermagem da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e educadora em diabetes; Rebbecca Ortiz La Banca, Rebecca Ortiz La Banca, membro do Departamento de Enfermagem da SBD, pesquisadora do Joslin Diabetes Center; e Viviana Giampaoli, doutora em Estatística pela Universidade de São Paulo e professora doutora pela mesma universidade.

O levantamento foi feito entre os dias 6 de novembro e 11 de dezembro de 2020. As autoras compartilharam o convite à pesquisa junto aos representantes de associações de diabetes brasileiras e às pessoas com diabetes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *